header image

Nosso Blog

Próximo Evento

Como está o sal da sua alimentação?

Um dos dados importantes da POF 2008-2009 foi o consumo excessivo de sal. 70% da população brasileira consomem quantidades superiores ao valor máximo de ingestão tolerável para o sódio, mineral que junto com o cloro forma o cloreto de sódio, ou sal.

Segundo o Guia para a população brasileira, o consumo de sal diário deve ser de no máximo de 5g/dia (1 colher rasa de chá por pessoa).

O excesso de sal, depois da genética, é o fator de maior influência para a pressão alta. Este mineral, além de ter ação vasoconstritora, aumenta o volume de sangue circulante pelas artérias, agredindo as paredes dos vasos. A lesão, por sua vez, facilita o depósito de gorduras e reduz a síntese de substâncias vasodilatadoras. Com isso, as artérias enrijecem e tem seu calibre diminuído, aumentando a pressão arterial, condição que pode levar ao desenvolvimento de hipertensão arterial sistêmica. Além disso, o consumo excessivo de sódio pode levar ao aparecimento da osteoporose, por aumentar a excreção de cálcio pelos rins.

Outro problema que pode ser relacionado ao consumo excessivo de sódio, é o conseqüente consumo excessivo de iodo, mineral essencial para o desenvolvimento e crescimento do corpo humano. Como a adição deste mineral no sal de cozinha é obrigatória por lei, uma elevação no consumo de sal leva a uma elevação no consumo de iodo, que pode causar problemas à saúde, como a Tireoidite de Hashimoto, doença auto-imune caracterizada pela inflamação da tireóide, causada por um erro no sistema imunológico.

Pensando neste problema, atualmente está em fase consulta pública pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) uma proposta para redução da faixa de iodação do sal no Brasil.

Ao ler este post, talvez você se pergunte: mas como saberei quanto de sal estou consumindo?

A resposta para tal pergunta é complicada. Somente em uma situação em que toda sua comida fosse feita sem sal e a quantidade permitida fosse adicionada a mesma, é que você teria um controle aproximado de quanto você está ingerindo de sódio. Mas na correria do dia-a-dia, com diversas refeições realizadas fora de casa, tornar esta condição realidade fica difícil. Somente em condições em que o consumo de sódio deve ser restringido, como no caso de pacientes com insuficiência renal, é que esta regra é, ou pelo menos deveria ser seguida com rigor.

Então se eu não posso mensurar o quanto de sal estou consumindo, o que devo fazer para não consumi-lo em excesso?

 Assista: http://www.youtube.com/watch?v=mP45-aDkIlM

Antes de mais nada, devemos ter em mente que o sal consumido não é somente aquele sal refinado comprado no mercado. Diversos produtos contêm o sal “escondido” em sua composição, por isso segue abaixo dicas para você reduzir o consumo de sal na sua alimentação e consequentemente cuidar da sua saúde:

 

  • Reduza ao máximo a quantidade de sal adicionada nas suas preparações;
  • Troque os temperos industrializados, que contem quantidade enorme de sódio, por ervas, especiarias, vinagre e limão;
  • Compre alimentos frescos, pois produtos enlatados contêm uma quantidade enorme de sal, que nestes alimentos atua como conservante;
  • Evite preparações instantâneas e congeladas;
  • Não adicione sal à alimentação pronta. Afaste-se do saleiro de mesa!
  • Quando realizar uma refeição fora de casa, procure escolher alimentos frescos, e com os quais você está mais familiarizado;
  • Evite consumir fast-food com grande freqüência;

Fontes:

Pesquisa de orçamento familiar 2008 – 2009. Análise do consumo alimentar pessoal.

http://www.sonutricao.com.br/downloads/Guia_Alimentar_Populacao_Brasileira.pdf

http://www.maisqualidadedevida.com.br/atencao-para-o-consumo-de-sal/

Compartilhe isso:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *