header image

Nosso Blog

Próximo Evento

Dia 9 de outubro – Dia do atletismo

Nesse post, faremos uma breve explicação sobre o atletismo e falaremos sobre a água de coco, repositores hidroeleolítricos e repositores energéticos, três produtos bastante utilizados pelos praticantes de atletismo.

 

 O atletismo é uma modalidade desportiva cujas origens vem da antiguidade grega e aos primeiros jogos Olímpicos, realizados no ano 776 AC. Por isso, pode dizer-se que é a forma mais antiga de organização desportiva. É considerado um esporte de base, pois sua prática reflete os movimentos essenciais do ser humano nas seguintes especialidades: caminhar, correr, saltar e arremessar. Hoje em dia o atletismo é dividido em modalidades de: provas de pista e campo, corridas de rua e marcha atlética. Os espaços destinados a competição de pista e campo devem ter uma pista para as corridas, cuja distância oficial é de 400 metros, e um espaço para as provas de campo (saltos e lançamentos). A Confederação Brasileira de Atletismo recomenda a construção de pista com piso sintético e com oito raias na pista de corrida, para serem atendidos os requisitos oficiais para a competição.

 

 

                                    Água de coco: um alerta aos atletas

Por Drª Priscila de Mattos Machado Andrade  

A maioria dos praticantes de atividades físicas e esportivas sabe que hidratação inadequada está associada a um menor desempenho e aumento no risco de distúrbios fisiológicos. Mas, com a sudorese excessiva, decorrente da prática desportiva, a ingestão regular de água, muitas vezes, não é suficiente, principalmente na reidratação após a prática, pois a transpiração de indivíduos – devido a ambientes quentes – proporciona uma excessiva perda de nutrientes, tornando esses indivíduos sujeitos a câimbras musculares e outras reações indesejadas.
Se deixarmos de repor essas substâncias, haverá uma deficiência de água e sódio, resultando em contrações espontâneas: as câimbras. Pessoas com sudorese excessiva perdem grandes quantidades de sódio e cloreto e, geralmente, apresentam ingestão diária relativamente baixa ou inadequada dos mesmos. A deficiência de outros minerais como cálcio, magnésio e potássio também contribui para a instalação da câimbra e de outros problemas neuromotores.
Quando o cálcio, perdido pela sudorese excessiva prolongada, não é reposto de forma suficiente, ou acontece a ingestão de líquido que não o contenha, como a água, pode haver complicações graves. Até a pele é afetada: ocorre a diminuição da elasticidade da mesma.
É importante beber muita água (pelo menos 2 litros por dia), por ser fundamental para o bom funcionamento intestinal, pois sem água suficiente, há um ressecamento das fezes, o que torna mais difícil sua eliminação, aumentando o risco de prisão de ventre.
Mas como vimos anteriormente, para que o organismo tenha todos os nutrientes repostos de maneira correta, há a necessidade de uma complementação na ingestão líquida com isotônicos e sucos, também encontramos na literatura nutricional a indicação da ingestão de água de coco, antes, durante e depois de atividades físicas.
Há muitos mitos em torno da água de coco. De maneira errada, esta é uma das frutas cujo consumo é sugerido indiscriminadamente, porque é saudável e não engorda. Mas o que é realmente verdadeiro ou falso no que dizem?
É uma bebida diurética, com poucas calorias, rica em nutrientes, livre de gordura e com grande quantidade de potássio, o que auxilia no bom funcionamento do intestino e faz com que os alimentos sejam digeridos mais rapidamente. Sua ingestão ajuda no metabolismo alimentar e aumenta a sensação de saciedade.
A indicação diária para qualquer pessoa é entre um e três copos de 300ml, levando-se em conta que um copo da água da fruta equivale a uma laranja inteira, ou meia maçã. A vitamina C é outra substância existente na fruta.
Por ser rica em sódio e em potássio, a água de coco deve ser ingerida com moderação por pessoas hipertensas. Também não está totalmente liberada para os diabéticos por concentrar muitos carboidratos.
Já para atletas o grande problema da água de coco é a elevada concentração de potássio. Se o atleta já possui uma tendência ao aumento de concentração de potássio sanguíneo durante um exercício, e ainda ingere elevadas concentrações de potássio na bebida hidratante, facilmente poderá chegar a um quadro de hipercalemia (existência de grande concentração de potássio no sangue).
Dependendo do nível de concentração, isto pode provocar importantes alterações na função cardíaca. É importante também estar atento a concentração de potássio de alguns isotônicos. São concentrações extremamente elevadas, sendo assim, uma verdadeira “bomba” de hidratação. Por isso não é recomendável que seja consumida indiscriminadamente.

Água de Coco – Tabela Nutricional – Composição para 200ml 

Valor calórico: 40 kcal
Carboidrato: 10g
Proteína: 0g
Lipídios: 0g
Colesterol: 0g
Fibras: 0g
Potássio: 320mg
Fósforo: 10mg (0,7% R.D.A*)
Cálcio: 40mg (5% R.D.A*)
Sódio: 40mg (3,2% R.D.A*)
Magnésio: 10mg (3,2% R.D.A*)

A alternativa então será combinar as bebidas. Pelo menos 1 litro de água pura ao longo do dia e durante as atividades físicas e o outro litro na forma de chá verde ou chá de ervas, flores e frutas e sucos mais ralos (como limonada, laranjada e maracujá) de referencia sem açúcar.
E atenção: a malhação frequente ou transpiração intensa no verão exige um aumento da cota líquida em no mínimo meio litro para repor a água perdida.

 

Repositores hidroeletrolíticos e repositores energéticos

 

 

 

Embora comumente o uso destas bebidas para praticantes de atividade física seja feito de forma indiscriminada e indiferente, é importante colocar que há diferença entre estes dois tipos e a finalidade a qual se propõem.

Os repositores hidroeletrolíticos são produtos formulados a partir de concentração variada de eletrólitos (sódio e cloreto), associada a concentrações variadas de carboidratos, com o objetivo de reposição hídrica e eletrolítica decorrente da prática de atividade física. Estes repositores hidroeletrolíticos apresentam-se prontos para o consumo na sua forma líquida ou em pó. Como exemplo há o Gatorade e o SportDrink.

Este tipo de líquidos recomenda-se para atletas que façam atividade física aeróbica intensa e prolongada ou quando há uma intensa perda de suor (costuma-se também indicar para pacientes com diarreia). Este tipo de líquido deve ser consumido preferencialmente com indicação do nutricionista. É importante destacar que o uso deste tipo de bebida aumentou cerca de 60% nos últimos anos, sendo usado de forma indiscriminada.

No entanto é importante ter cuidado, pois a quantidade de sódio nestas bebidas é bastante grande (superando 9x a quantidade encontrada numa bebida a base de cola) e esta “suplementação” de sódio só é válida quando realmente houver a necessidade por perda demasiadamente grande.

Os repositores energéticos são produtos que apresentam no mínimo 90% de carboidrato na sua composição, podendo ser acrescidos de vitaminas e minerais com a finalidade de permitir o alcance e/ou manutenção dos níveis apropriados de energia para atletas.

Estes produtos são encontrados na forma líquida, em pó, em barra ou gel como, por exemplo: Sportenergy, Cabo Fuel, Carb Up e costumam ser fontes rápidas de fornecimento e absorção de energia. Costuma utilizar-se este tipo de repositores durante competições ou em treinos nos quais não sejam possíveis pausas para consumo de alimentos.

 

Fontes: http://nutricionistabrunabb.blogspot.com.br

http://www.smartkids.com.br/datas-comemorativas/9-outubro-dia-do-atletismo.html

http://www.ativo.com/Canais/Pages/%C3%81gua-de-cocoumalertaaosatletas.aspx

http://www.buscasaude.com.br/materias-atividade-fisica/repositores-hidroeletroliticos-x-repositores-energeticos/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=repositores-hidroeletroliticos-x-repositores-energeticos

Compartilhe isso:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *